Quinta-feira, 01 de Agosto, 2013

 

 

Estamos cada vez mais a ouvir esta frase: - Vou virar-me para a agricultura!

Este também é o meu caso, não consigo arranjar trabalho na minha área nem em área nenhuma, porque o mercado está saturado, há gente a mais para tão pouco trabalho e não sou da terra de onde resido por isso não arranjo cunhas!

 Conseguimos comprar um terreno, mas mal de mim que o terreno é quase 100% barro, o que me tem lançado  numa demanda para aprender o que fazer e o que plantar em tal chão, tenho sorte de ter um cantinho no quintal da minha mãe que é 100% areia, o oposto do meu terreno onde posso plantar num espaço reduzido o que não posso no outro. Acaba por ser bom, porque assim posso dar sugestões aqui no blog do que funciona num e no outro.

 

Neste post escrevo para quem tem um pouco de terra, ou terra "emprestada"(dos pais, amigos etc...) e quer arregaçar mangas para ganhar uns trocos e quiçá muito mais?É verdade que há uns incentivos á agricultura, ao empreendimento, mas hoje não vou falar disso, porque nem todos os projetos são aprovados.

Por algum lado temos de começar, não é?

 

O primeiro ponto é ter os pés assentes na terra, não vamos contar com o ovo do ** da galinha, pois não? Contemos com o que temos, um quintal, um terreno de um parente, de um amigo...Pode ser de aluguer, tem água?Como efetuo as regas?

Se o terreno é meu, e não tiver rio, nem charca, o ideal é mandar fazer furo/poço.Se não houver dinheiro para fazer furo, há outras alternativas; é possível fazer stock de água através de barris plásticos recuperando a água da chuva, ou arranjar aqueles depósitos plásticos para água, gasóleo etc...enche-los de água, nem que seja da fonte! E leva-los para o terreno. Colocam-se num ponto alto para que a água vaze bem.

 

Depósitos

 

 

Segundo ponto, mas o mais importante: Ser honesto a 100%.

Se vai ser agricultor biológico, não pode usar produtos que não estejam aprovados para agricultura biológica e ponto final! Se não percebe muito de agricultura biológica, porque por vezes pode ser complicado, pode optar por agricultura de protecção integrada, não é biológico, mas é um género de agricultura que leva muito menos químicos do que a convencional, só quando é necessário, e lá está, nunca levar ninguém a crer que você está a cultivar 100% biológico.

 

Terceiro ponto, o que cultivar?

 

Este ponto depende do que gosta de cultivar, é melhor cultivar algo que gosta, por amor, do que cultivar contrariado algo que não lhe desperta interesse.Pode dedicar-se ao cultivo de uma única variedade, ou de várias.

 

Pode vender os seus frutos vermelhos a um produtor que precise de mais  parceiros para lançar os produtos em quantidade no mercado, os grandes produtores de cogumelos portugueses fazem isso, aceitam produtos de pequenos agricultores.

A união faz a força, e é bom alguns produtores abrirem os olhos neste sentido, porque conheço compradores finais que têm que ir a Madrid de 15 em 15 dias comprar fruta para vender por que cá não há organização neste sentido.

 

 

Depende se pode estar só alguns dias por semana ou por mês no terreno, o kiwi, a castanha e outros não exigem a sua presença semanal ou mensal na propriedade, já as framboesas e os morangos exigem a presença diária durante  meses, para cuidados e apanhas.Se o terreno for longe da localidade onde reside tem de fazer contas ao custo do transporte.

 

Pode cultivar várias coisas para organizar uns cabazes biológicos básicos

 

 

 

Ou cultivar cabazes mais elaborados ou de produtos mais raros no mercado

 

 

Goji berries

 

 

 

 

 

 

 

 

 

cabaz de frutos vermelhos variados

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois existem aqueles cabazes que têm um pouco de tudo, doces, bolachas, azeite, fruta e legumes e podem ter pratos cozinhados

 

 

dependendo da sua"veia artística", e do mercado que há á sua volta, da procura etc...Pode optar por várias soluções!Os cabazes funcionam melhor em grandes e médios centros urbanos onde muitas pessoas não têm acesso a produtos frescos, apanhados no dia.

 

Quarto ponto:capriche na qualidade, seja bom no que faz, não deixe que ninguém tenha algo a reparar, tenha vários preços para o cabaz consoante o que produz, se não tem produtos suficientes para um cabaz grande ou médio, tenha preços para mini cabazes, porque quando estamos a começar não temos sempre produtos suficientes para cabazes grandes, e no inverno os cabazes "reduzem" de tamanho, porque o verão é sinónimo de fartura e no inverno já se sabe não há quase fruta nenhuma, ouço falar:- O cabaz daqueles tem sido mais pobre agora e paga-se o mesmo. Há várias maneiras de contrariar isso, estamos a chegar ao inverno, que tal adicionar umas conservas ao cabaz?Ou umas tartes de maçã?

 

Quinto ponto - Independentemente do que vá produzir, vender e como vai vender:Não gaste logo os seus primeiros rendimentos, guarde pelo menos uma parte e reinvista para melhorar.

publicado por silvia lima às 15:09
 O que é? |  O que é? | favorito

Olá mais uma vez, eu também tenho uma historia parecida com a sua e também eu já fiz essa experiencia da entrega de cabazes. Desisti quando o preço da gasolina subiu e a crise se instalou. Fazia entregas no grande Porto e quase não compensava o trabalho. Os clientes começaram a pedir menos e só quase o básico. Optei por vender a a estabelecimentos da zona, que apesar de pagarem menos escoam-me quase tudo o que produzo. Assim os custos são reduzidos e produzo e colho conforme as encomendas. De todas formas tenho de partir para outra, produzir de outra forma e em grande quantidade. Ninguém se safa a vender alfaces... Riacho da Joaninha@blogspot.pt
Deolinda a 10 de Agosto de 2013 às 16:39

Olá Deolinda, é complicado as pessoas optarem pela qualidade porque isto está mesmo mal, até para quem tem empregos estáveis, está tudo caro, e as pessoas pensam que o que é biológico é mais caro do que no supermercado, e nem experimentam com o medo, há coisas que não são, até são mais baratas e as pessoas não sabem, instalou-se o mito de que é mais caro,  mas quem tiver conhecimentos das adequadas das praticas culturais pode fazer os seus próprios adubos verdes a custo quase 0, por exemplo.

Optar por vender a um estabelecimento é boa ideia, há pessoas que gostam de escolher as frutas e os legumes.

O problema é ter ou não terrenos suficientes para plantar mais, em quantidade ou em variedade,como refere a Deolinda, porque as alfaces, couves e nabos nem são sustento para as famílias nem para os agricultores, porque nem só de pão vive o homem.

Eu sou muito de experimentar novidades, variedades e de buscar coisas quase ao fim do mundo, porque sou curiosa.
 Só espero que isto melhore para todos, e que possamos produzir amor em forma de frutos saudáveis para nós, para os outros e  para os nossos filhos.
silvia lima a 14 de Agosto de 2013 às 13:30

Não percebi da leitura que fiz dos vários artigos do seu Blog qual a área do terreno.
eu tenho 3000 m2 úteis num total de 5000 e estou a pensar dedicar-me à agricultura, agora que vou reformar.
tenho um Blog no SAPO "Normalocracia" mas não consigo enviar a mensagem, vou tentar como se não tivesse BLOG
Manuel Mascarenhas a 11 de Março de 2014 às 13:56

Olá Sr. Manuel, eu não tenho um só terreno, tenho mais do que um meus e ainda tenho um espaço no quintal da minha mãe para os gojis e groselhas negras, entre outros.3000m2 é muito bom, o que pensa cultivar?
silvia lima a 17 de Março de 2014 às 12:15


mais sobre mim
Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


últ. comentários
Olá , bom dia Eu vivi muitos anos na Austrália e t...
ola, eu vivo em Ponte de Lima, e tenho uma abacate...
Olá Sr. Manuel, eu não tenho um só terreno, tenho ...
Olá,Agora que está a chegar o bom tempo vou concet...
Não percebi da leitura que fiz dos vários artigos ...
Olá, a cinza de madeira é a melhor,não se devem us...
Também por acaso... e após muita insistência local...
Boa tarde, estive pesquisando pois tenho algumas p...
Olá Silvia!Hoje, casualmente, descobri o seu blog....
.Boa tarde;A curuba é mais resistente ao frio do q...
Não se preocupe, o goji é um arbusto dos himalaias...
Parabéns pela sua cordialidade e paciência em divi...
se tiver facebook  adicione-me á sua lista de...
Boa tarde, Ajudou sim, muito obrigado pela dica. Q...
Vivo em portugal, e as mangas ficam super doces as...
olá Catarina, não sei o preço ao kilo, mas que é m...
Olá Cintia, você mora no rio grande do sul certo?C...
Olá Bruno, desculpa estar a responder-te tão tarde...
Olá Paula, isto aqui na minha zona compram-se as g...
A muda é de semente, semeada por si? ou comprou a ...
Boa noite,Estou tentando desenvolver uma muda de ...
Ola boa tarde, gostaria de saber onde comprou as s...
Gostava de saber se já chegou a abrir&nb...
Alguem conhece alguma producao/produtor de goji em...
Oi Silvia, confesso que estou encantada com esta f...
Temos um abacateiro que nasceu duma semente de aba...
Fiquei contente de encontrar este blog pois a info...
Encontrei o seu blog por acaso e estou a gostar mu...
Olá boa tarde..Através de pesquisa encontrei o seu...
olá gostei muito de seu blog gostaria de saber ond...
Obrigada Silvia pelos conselhos.
olá, eu como as bagas frescas, podem pôr-se no iog...
Boa noite a todos se alguém me souber responder ag...
Adoro as manga Palmer sao muito saborosa.Adorei as...
Muito bem fico á espera, está combinado!
Obrigada Sílvia! Daqui a uns tempos venho aqui rel...
olá Marlene, sim pode plantar, o tempo está chuvos...
No Olival Basto (metro Sr. Roubado) há uma loja qu...
Olá Sílvia. Muito obrigada pelo seu comentário.Par...
Olá Marlene, nos solos argilosos não dá, as micro ...
Olá Sílvia. Queria perguntar-lhe em que tipo de so...
Olá Mário, esta variedade comprei-a no viveiro eur...
Boas,tenho imensas framboesas no quintal, mas sao ...
O facto de ser mais rico do que arenoso, é bom, de...
Obrigado Silvia, é sempre interessante ouvir opini...
Olá Fernando, pois...não sei responder-lhe de form...
José eduardo, parece-me, que é excesso de água o p...
Corriola???Isto é uma variedade de castanhas?
Olá Silvia, os meus gojis com ano e meio de vida,...
Silvia muito obrigado pela enformaçã...
pesquisar
 

blogs SAPO


Universidade de Aveiro